Minimalismo

Há algum tempo tenho sentido o desejo de ter essa conversa aqui com vocês e prometo (tentar) ser breve. Há 6 meses assisti ao documentário “Minimalismo” no netflix, o qual recomendei a todos os meus amigos. Gostei muito das ideias apresentadas e percebi que casou muito com um estilo de vida que tento aderir.

Resumidamente, o documentário fala sobre a necessidade humana do século atual de desejar sempre obter mais e mais coisas. São roupas, aparelhos eletrônicos, carros, casas, enfim, bens materiais. E o documentário mostra o quanto essa sede insaciável por adquirir não tem suprido as necessidades das pessoas. Achei muito interessante o estilo de vida de algumas pessoas, inclusive dos autores do livro, que inspirou o documentário. Todas as roupas deles cabem em uma única mala de mão. Incrível não?!

A ideia essencial do minimalismo é ter poucas coisas e todas elas terem um propósito específico na sua rotina/vida. Isso se refere a tudo, inclusive a móveis. Fiquei pensando nas nossas casas grandes em que tantos cômodos quase não são utilizados. E nesse sentido, eu tenho apenas o que eu uso. Se não uso, eu desapego. Se não preciso, não há porquê de comprar aquilo mesmo que esteja em promoção. O excesso muitas vezes nos impede de ter relacionamentos significativos e de qualidade. Trabalhamos demasiadamente para quê? Muitas vezes é sim para ter dinheiro e comprar aquilo que nos satisfaz. Eles até falam de uma frase que peguei para minha vida: “As pessoas amam as coisas e usam as pessoas”.

Eu penso muito nisso com relação ao nosso vestuário. Eu busco ter no meu guarda-roupa aquilo que uso e busco usar as peças das mais variadas formas. Isso me dá uma sensação de que a peça valeu o investimento. É triste ver muitas pessoas, na maioria mulheres, endividadas por gastarem mais do que poderiam. Mas como resistir àquele sapato maravilhoso que está na promoção? Bom, eu sempre tenho 3 perguntas em mente quando quero comprar algo:

  • Eu preciso disso?
  • Eu tenho alguma outra peça parecida?
  • Se eu comprar essa peça, eu consigo montar 3 looks com outras roupas que eu já tenho?

Se a resposta for sim em todas 3, eu compro. Agora mesmo que a peça seja muito barata, eu resisto. E em algumas vezes, resisto bravamente, porque a tentação é grande heheh. Na consultoria de moda, existe um conceito que se chama custo-benefício da peça. Assim, você divide o valor pago pela quantidade de vezes que usou. Se eu compro uma calça por 100 reais e uso apenas 2 vezes, ela será mais cara do que se eu compro uma por 300 reais e uso 15 vezes. Logo, o uso da peça que faz ela ser cara ou barata e não o valor pago.

Na moda é ainda mais difícil ser minimalista, porque são 4 estações cheias de tendências que saltam aos nossos olhos. Mas, de verdade, você precisa aderir a todas elas? Elas fazem sentido para você? Eu não compro tudo o que está na moda. 90% do meu guarda-roupa é com roupas atemporais, que uso durante todo o ano.

Pensando nisso, fiz o primeiro desafio do consumo consciente. Eu o chamei de #1vestido12looks #florescendoocloset. Vou postar 12 looks usando um mesmo vestido apenas variando os acessórios e os sapatos. A cada semana, haverá 3 looks e ao final de 1 mês, teremos 12 ideias de usar o mesmo vestido de forma criativa. Postei ontem no instagram os primeiros 3 e nas próximas semanas teremos os demais.

Quero te convidar a participar do desafio, seja acompanhando, seja se desafiando. Ah, e se não assistiu ao documentário Minimalismo, quero dizer que vale muito a pena.

minimalismo 2

E retomo: “Ame as pessoas e use as coisas”

bjinhos

Thais

Share: